Pense sinceramente no seu cliente como uma pessoa com necessidades, vontades e opiniões e não apenas como gerador de faturamento.

Com a quarentena, grande parte do comércio parou e quem consegue vender pela Internet está se agarrando a isso com todas as forças e é compreensível. O problema é que este momento traz várias dúvidas e medos não apenas para as empresas, mas para os clientes também, afinal, são pessoas presas em casa e sem muita clareza do futuro e até da garantia do próprio sustento. Isso significa que muitos podem, inclusive, diminuir sensivelmente os gastos, ainda que tenham renda garantida. Isso torna tudo muito mais desafiador para as empresas.

Por outro lado, entendo também que isso gera uma oportunidade de aproximação maior da marca com seus clientes pois, afinal (ou finalmente), os dois lados desta relação estão do mesmo lado nesta crise.

Então, por mais que seja importante tentar vender como for possível neste momento para garantir a sobrevivência do negócio – principalmente se for um pequeno ou médio negócio, pois os grandes sobreviverão, mesmo arranhados -, mais importante ainda é perceber que a crise gera um ambiente emocional pelo lado do cliente muito mais delicado nesta relação. Saber entender e respeitar isso de maneira verdadeira na comunicação e nos momentos de contato com os clientes pode ser um grande divisor de águas nas estratégias de relacionamento das empresas, plantando sementes que, certamente, gerarão maior empatia, experiências marcantes e relacionamentos mais sólidos para o futuro. E um diferencial competitivo que a empresa talvez nunca tenha imaginado que poderia conseguir.

Em outras palavras, se este momento pede criatividade para continuar vendendo, pede também muito mais solidariedade e proximidade das marcas para com os seus públicos.

Fonte: https://exame.abril.com.br/blog/relacionamento-antes-do-marketing/marcas-e-clientes-uma-grande-oportunidade-em-uma-grande-crise/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui